Restless Mind

Mente Inquieta

Eu sou Jay Melo, Jayzélitón, Jay Bitch, Jayzissímo, Jayzinhow, Pequena Diva, Jayzon, Mikah, Jay´kah, Jay-Z, Lynna... Ou qualquer outro apelido que vocês queiram me dar. Tenho 23 anos, pretendo ser ator, falar Inglês, Francês, Espanhol e Russo, queria me apaixonar, aprender a cantar, tocar violão e meu maior sonho é apenas ser feliz. Sou calmo, divertido, Egoísta, Imaturo, Sorridente e Agradável. Tenho curiosidade pelo que é bizarro e tudo que seja colorido, engraçado e psicodélico me interessa. Esse é meu primeiro blog e por incrível que possa parecer, até que ele está durando...

I´M NO ANGEL

A data que esse blog nasceu eu não consigo ver ¬¬ Mas ele surgiu da minha vontade de expressar minhas opiniões e vontades, sem a necessidade de perguntar a opinião de terceiros, é um canto de desabafo e devaneios. Uma espécie de terapia, até porque tudo que há de pior e melhor de mim. Se encontra nele. Não tenho a intenção de ter milhões de seguidores, ou de comentários, só quero ter um espaço para poder compartilhar com alguém tudo que eu sinto.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Espero ser a última vez que toque nesse assunto porque está foda, mas também estou de férias né? Acontece... Hoje eu acho que tomei um dos maiores tocos da minha vida e o mais impressionante é que eu pensava que ficaria na merda, mas estou bem “o.k”. Meu signo tem muito disso, da mesma forma que me apego as pessoas ( em questão de relacionamento amoroso) e acho que não vou conseguir viver sem elas, eu consigo ficar indiferente rapidinho, basta eu não gostar de algo.
Ontem, eu já estava meio desmotivado porque a gente sente e sabe quando algo não vai para frente, não adianta nossa intuição ainda é o maior termômetro para qualquer coisa na vida. Mesmo assim eu ainda fiquei pensando em como fazer as coisas de uma forma que ficasse subtendida, chamar despretensiosamente para sair, falar alguma coisa que tivéssemos em comum e depois cai na real que na vida a gente tem que ser pratico sabe? Eu não gosto de meios termos.
Estufei meu peito de coragem e mandei uma mensagem perguntando como estariam os dias subsequentes e se podíamos nos encontrar qualquer dia desses. Obviamente, a resposta não foi tão calorosa quanto eu esperava, mas não deixa de ser coerente.
Em sumo o que eu li foi que está havendo uma temporada de descanso, e que eu não ligasse com o desapego para as coisas porque era assim mesmo, todavia a gente se encontraria ou por acaso ou com algo combinado. Acho que depois do teor do que foi escrito, a consciência deve ter pesado um pouco e eu ainda obtive umas explicações que isso era reflexo das viagens que faz, que gosta de estar só, enfim... Sobre uma saída por agora a explicação para mim foi uma espécie de rehab onde se pararia um tempo de beber.
Achei todas as desculpas justíssimas e confesso que até me surpreendi com as respostas, rápidas, sinceras e coerentes. No entanto, eu me olhei no espelho e pensei assim: -Como é a história? Eu, uma pessoa bonita, simpática, bem humorada, com um leque enorme de pessoas que bastaria eu estalar um dos dedos para virem correndo até mim, me sujeitando a isso? A disponibilidade de alguém? Me poupe! Eu dei uma risada, coloquei o cd novo da Lilly Allen (Sheezus) para tocar e fui organizar umas coisas que ficaram pendentes do ano passado para esse, livros, matricula de faculdade, etc...

Obvio, que ainda existe um desejo mesmo que muito intimo de que a gente se encontre. Mas é aquela coisa: sexo é química, amor é matemática! Eu não vou perder de ficar me divertindo em prol de uma pessoa que já já viaja e não vai nem lembrar da minha existência na semana seguinte.  Se houver alguma festa que eu queira ir e acho que cabe, vou chamar mas sem esperar respostas positivistas ou negativistas. Eu tenho essa qualidade de me reerguer, de ir do inferno ao céu e mesmo assim continuar firme e sincero nos meus propósitos. No fim, é disso que a vida tem sido feita: momentos. 

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Vou colocar logo meu Mapa Astral que hoje estou perturbado.





 

Eu sou muito agoniado e inclusive acho que vou morrer de vergonha quando daqui há algum tempo ler essas postagens açucaradas, com toda certeza eu vou dizer: Ah! Jay, como você se passa. 
Então... Continuo naquela minha fase conto de fadas, apaixonado, meloso, pensando mas como dá para ver o meu signo é leão o que é um problema porque meu ego acaba comigo e a minima possibilidade de rejeição me deixa irritadíssimo. 

Acho que não estou sabendo lidar direito com o que eu estou sentindo, é algo muito forte e diria até devastador na mesma frequência que é recente diria que a sensação que me passa é de que faz tempo que eu sentia isso. Muito louco! Eu queria poder dizer/escrever outras coisas mas no momento é só isso que vem a minha mente. Como pode né? Que engraçado...

Eu vivo um dilema eterno em procurar ou não, puxar assunto ou não puxar, esperar algum sinal... No momento permaneço em silencio mas só Deus sabe o martírio que está sendo permanecer assim.  Que sina essa minha de gostar sempre da pessoa errada e na hora errada. Gostar de alguém com viagem marcada é praticamente um passaporte para o sofrimento. 

Não tenho muito a dizer porque os sentimentos afloram em minha pele como gotas de suor num dia de verão intenso. Vou vendo como minha vida vai seguindo até o final de semana. 
Enfim... Não estou falando coisa com coisa. 

Beijos 

domingo, 11 de janeiro de 2015

Ás vezes eu me impressiono em como sou brega. Eu esperava outra coisa para postar em 2015, mas aí eu fui adiando, adiando... E acabou que não postei nada.
A cada ano que passa eu sempre revejo certos conceitos, faço meus planos, agradeço pelo que alcancei e peço algo que eu esteja querendo muito. Na maioria das vezes, Deus ou o universo ( que no fim das contas se trata de uma mesma força ) sempre concede os meus desejos.
Passei tanto tempo idealizando as coisas da forma que eu imaginava que fossem, que perdi tempo e olhando para trás vejo que poderia ter sido muito diferente se eu tivesse uma dose de coragem e ousadia. Não que hoje eu as tenha, mas que eu enquanto pessoa, estou muito mais liberto isto é fato.
Não fui uma pessoa de grandes amores, conto nos dedos de uma mão as pessoas com quem transei. E só senti meu coração arrebatado como hoje uma vez na minha vida até então, e isso faz tanto tempo e foi tão traumático que lembrar disso hoje me faz ter vontade de rir onde antes só encontrava motivos para chorar. 
É um pouco difícil para mim descrever com certa exatidão o que se passa dentro, eu sinto como se fosse uma bomba relógio prestes a explodir a qualquer momento na mesma medida em que sinto necessidade de estar/falar com a pessoa a todo instante. Meio bizarro isso, vindo de mim que não sou nem um pouco romântico.
Não sei se esse sentimento é devido às coisas serem recentes e por eu ter me permitido ir sem amarras de uma forma que nunca me permiti antes, realmente não sei. Porque para que eu me interesse por alguém é primordial o fato de que preciso admira-la, depois vêm as afinidades, a maneira como lida comigo e as pessoas ao redor, o senso de humor... O fato é que numa analise bem fria todos esses pré-requisitos foram preenchidos.  Ao mesmo tempo que é ótimo, é ruim porque como lidar com o fato de que a pessoa que você começa a gostar está de viagem marcada para morar fora do país por um tempo indeterminado?
Acho que esse é um dos grandes carmas que eu vou ter que lidar no decorrer desses 365 dias, não sei como as coisas se configuram a partir de agora, muito provável que não dê em nada. Mas, pelo menos o que eu passei em menos dessas 24 horas já valeram por alguns anos que perdi. No fim das contas a importância foi tão rica, tão bonita, tão sincera que quero lembrar para sempre como quem recorda um primeiro beijo.
Que fique a recordação da foto, da(s) lembrança(s) e que daqui há alguns meses quando for reler esse desabafo que eu consiga superar. É muito exagero, eu sei! Mas eu sou assim: intenso.

Meu 2015 está oficialmente iniciado. 


quarta-feira, 8 de janeiro de 2014


Como havia prometido ontem, estou continuando a minha postagem. Vou colocar o que escrevi anteriormente porque aí não perco o fio da meada:

Entre as várias coisas que 2013 me trouxe, uma delas foi um namoro. Acho que nos últimos anos passei tanto tempo idealizando isso e quando finalmente consegui creio que me frustrei um pouco. Percebi que era mais feliz sendo solteiro rs. ( Calma! Eu não acabei nada, ainda. )
Entre o encontro e o pedido foi tudo muito rápido e meio que me pegou de surpresa, ainda tô aprendendo a lidar com isso. Estou tentando construir um amor que ainda não existe e tendo que lidar com tantas outras coisas que enfim... "

A parte pior para mim de um relacionamento é a carência, eu acho. Não que seja ruim estar ao lado de quem se gosta mas é que essa presença muito frequente incomoda, sinto de certa forma como um prisioneiro. Me acostumei tanto a ser livre que quando me vejo tendo que dar satisfações sobre cada passo meu, me sinto algumas vezes bastante irritado. 
Em contrapartida é péssimo porque a pessoa realmente gosta de mim ( Ou acha que gosta, não sei. ) E as vezes me sinto uma pessoa injusta por não poder dar o mesmo nível de sentimento que ela demonstra ter por mim. Muito complicado isso. 
Há momentos em que me pego sendo frio, ausente e completamente alheio aos problemas pessoais que não são meus e isso é uma atitude muito cruel se falando em um relacionamento sério. Acho sinceramente que não deveria ter aceitado esse namoro tão cedo, foi um passo muito importante e decidido no calor do momento.
Mas quem diz não a um pedido feito de joelhos com uma aliança e em um local publico? Na hora eu quis dizer não mesmo, foi a primeira coisa que veio na minha cabeça. O problema foi que a situação toda que deveria ser romântica para mim tornou-se constrangedora, acabou que aceitei por pressão e não por sentimento e a merda toda começa a residir daí. 
Desse momento em diante assumi algo que sabia que não tinha como colocar mais a frente. Porque não existia amor, o que existe é... Sei lá! Uma cumplicidade grande de minha parte. Eu poderia olhar e dizer: Olha, eu te amo sabia? Mas infelizmente não sinto nem 1/3 disso. E cada vez mais tenho certeza disso, e porque eu não acabo logo? Eis uma pergunta que nem eu sei como responder agora.
Ainda apostava as fichas num sexo incrivelmente bom, mas nem essa química entre a gente rolou. Sendo assim fica bastante difícil. 

Não sei se todos os casais passam por isso, mas se isso for uma coisa comum entre eles. Que bela merda é a convenção social que é um namoro! Sempre achei que quando você gosta muito de alguém seu coração palpita mais rápido, o ar falta e é impossível controlar o tremor em todo o corpo. 
Acabo me sentindo frustrado porque não sinto nada disso e tenho minhas duvidas quanto a construir esse sentimento a longo prazo no meu peito uma vez que hoje não vejo a gente junto mais para frente. 
O que é uma visão totalmente contraria a pessoa em questão que até de casamento já falou! Veja mesmo que coisa absurda!!!! 



Passei muito tempo sem me relacionar com ninguém e a última pessoa por quem eu me apaixonei fez o favor de quase acabar com a minha vida e me deixar numa depressão filha da puta! Depois disso me fechei para o mundo e agora surgiu essa pessoa e quis me dar uma chance. Mas nessa de querer me libertar da sombra de um sentimento acabei me aprisionando a outro ainda pior. 
Eu sei que sou bonito, inteligente, bem humorado e sagaz o que convenhamos são motivos interessantíssimos de sobra para se relacionar com quem quer que seja. Mas, penso em dados momentos que nem isso é o suficiente e é por pensar em momentos assim que fico na duvida entre colocar um ponto final ou não. O que meu coração diz no momento é para acabar, e sei que é o certo a ser feito.
Não é justo ou humano brincar com os sentimentos das pessoas e eu não vou querer enganar ou machucar alguém que só quer o meu bem ( Nem com os que me fazem mal, faço isso ).
Basicamente, é isso! 
Comecei 2014 namorando e querendo terminar o namoro. 







terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Cá estamos nós na minha primeira postagem de 2014.
Estranhamente eu sempre acabo recorrendo a esse blog, em alguns momentos com mais frequência, outros com menos e de importante mesmo é a certeza que esse espaço aqui é meu, só meu para que eu possa falar sobre o que eu quiser! Já se passaram 05 anos desde a minha primeira postagem e devo que confessar que em alguns momentos acabo não me reconhecendo em certas coisas que escrevi. Aquela pessoa me soa totalmente alheia a quem sou hoje, que bom isso né? Prova que eu evolui e muito como ser humano. É algo a ser comemorado.



O ano passado foi menos turbulento que 2012, mesmo assim isso não significa que ele não trouxe suas doses de alegria. 2013 ficou marcado para mim como um ano onde eu pude dar um certo grito de independência e finalmente sair de cima de um muro onde me colocava para não machucar as pessoas e acabava machucando a mim mesmo. Mais do que isso, aprendi a dizer certos "nãos".
Decidi romper com uma amiga que eu considerava demais mas que se mostrou extremamente vil comigo, eu já vinha desconfiado a algum tempo das atitudes dela mas quando eu finalmente tive provas concretas do posicionamento dela em relação a mim, foi um baque e tanto. O pior de tudo é que eu fui tão alertado sobre isso, mas fazer o quê? Leoninos são teimosos, a vida me ensinou.
Na época eu fiquei magoado, com vontade de chorar a cada coisa que me lembrava o que a gente tinha passado. Depois de um certo luto, comecei a pensar em tudo com maturidade e percebi que hoje ela é uma pessoa sozinha, limitada, infeliz e sem moral, não no sentido agressivo da palavra. Mas porque tomou uma série de atitudes com outras pessoas que quando tudo veio a tona, não havia nem como ela se defender e pela gravidade das coisas até o direito de ter a cabeça erguida perdeu.
Os amigos atuais dela são uma piada, não por eles obviamente, é mais por ela que falava mal de todos e hoje dedica seu tempo a vangloriar sua atual fase e mandar indiretas ( engraçadíssimas por sinal ) para mim e outras pessoas que decidiram deixa-la para trás. Tudo nessa menina é paradoxal, o que é uma pena porque tinha tudo para ser incrível mas os próprios traumas pessoais fazem com que se afunde mais e mais. Uma pena, realmente! Hoje a única função dessa pessoa na minha vida é provocar risadas, não irônicas. Risadas sinceras de ver até que ponto vai uma pessoa absoluta e definitivamente falsa e medíocre.

Essa decisão foi um divisor de águas porque desse momento em diante decidi encaminhar minha vida para outro lado e isso só me fez bem, tanto na vida social com meus amigos como na faculdade, em casa... Era como se isso fosse um start para que eu pudesse de alguma forma subir alguns lances nessa escada doida que é a vida! Hoje sem pretensão posso dizer que sou uma pessoa admirada, as pessoas fazem questão da minha presença nos lugares e vez ou outra alguém acaba declarando a minha importância na vida dela e dizendo o quanto de amor sente por mim.

Falando em amor...

Entre as várias coisas que 2013 me trouxe, uma delas foi um namoro. Acho que nos últimos anos passei tanto tempo idealizando isso e quando finalmente consegui creio que me frustrei um pouco. Percebi que era mais feliz sendo solteiro rs. ( Calma! Eu não acabei nada, ainda. )
Entre o encontro e o pedido foi tudo muito rápido e meio que me pegou de surpresa, ainda tô aprendendo a lidar com isso. Estou tentando construir um amor que ainda não existe e tendo que lidar com tantas outras coisas que enfim... Isso é assunto para uma outra postagem mais aprofundada.
Tô com dor de dente nesse momento e meu corpo só pede cama.

Um Beijo


quinta-feira, 19 de setembro de 2013

  
Começo a achar que essa coisa de falar de um assunto com certa veemência acaba fazendo com que ele venha a tona, me causou até um certo espanto isso. Achei importante colocar o desenrolar da história aqui porque faz parte da vida mesmo e eu espero que se não é o último capítulo da novela ao menos que seja aquela penúltima semana que o antecede.  
Não sei se me fiz claro mas vou fazer algumas observações antes; tenho um carinho enorme por esta pessoa mas no momento minha amizade com ela se tornou insustentável e antes fosse apenas por conta das pessoas que ela convive, o que é pior ( e na minha concepção mais grave ) são as próprias atitudes dela para comigo e com os outros amigos ao redor. 
O final de 2012 e começo de 2013 eu me desvinculei de uma pessoa que eu era muito amigo e que dediquei uma vida inteira para num momento de fraqueza, sadismo ou falta de caráter mesmo, essa "persona non grata" decidir jogar a amizade da gente no lixo e fazer a merda das merdas comigo. Enfim... Hoje é uma pessoa e um assunto que trato com indiferença mas nem sempre foi assim. Acontece que essa amizade que me referi no começo da postagem acompanhou tudo isso, me deu apoio quando foi preciso, me ouviu e fez tudo que poderia ser feito para que eu superasse essa decepção tão grande. Acontece que agora ela decidiu se juntar com essa outra pessoa que me fez mal e por mais que ela diga que me ame e blá, blá, blá acredito que por respeito e consideração a mim enquanto amigo dela e mais do que isso por ela ter falado tão mal da própria pessoa em questão. Ela não deveria ter cogitado nem a hipótese de dividir o mesmo ambiente que ele quanto mais ter uma relação cordial como ela diz que tem. Não entra na minha cabeça como isso pode ser possível! Para ser bem sincero me sinto traído, traído por ela ficar me sondando, traído por ela ter falado para terceiros coisas que era só entre eu e ela, traído por ela mentir que tem relação cordial com uma pessoa quando eu sei que isso não é verdade, traído porque ela manipulou certos discursos para mim, me sinto traído pelo descompromisso dela e acima de tudo me sinto traído porque ela não soube ser a amiga imparcial e fiel que eu sempre fui com ela. 

Acontece que quando eu percebi que ela estava se justando com essas pessoas, saindo todos os finais de semana ( com desculpas religiosas que eu sinceramente não engulo ), indo assistir com outras pessoas filmes que eu tinha marcado de ver com ela, desmarcando compromissos comigo para sair com eles e o pior de tudo que me fez ficar triplamente chateado: ligar para mim só quando eles não estão disponíveis, isso geralmente numa segunda feira. Isso fez com que eu me afastasse geral, e eu sou assim... Quando me afasto de alguém não digo, não solto indireta, não fico agredindo eu simplesmente me calo e ponto. Depois de meses tendo essa atitude, a dita cuja percebeu e resolveu me ligar cobrando porque eu tinha marcado um sushi com outros amigos em comuns nossos e não tinha: Nem avisado a ela e nem te chamado porque isso era falta de consideração.

ORAS!!!!! A pessoa passa meses saindo o tempo todo sem nem se dar ao trabalho e o esforço de lembrar da minha existência para ir na esquina. E quando provavelmente percebeu que as pessoas com quem ela normalmente se junta vão estar vivendo suas vidas veio lembrar de mim e me cobrar PRESENÇA que é algo que ela não foi durante todo esse tempo, mas me poupe!!!! Acho isso um tanto quanto cômico quer dizer que eu vou ser obrigado a fincar minhas raízes numa amizade onde eu não posso contar com a confidencialidade da pessoa, onde a pessoa em questão só lembra de mim quando as outras "oficiais" não tem tempo para ela e acima de tudo eu sou obrigado a fincar minhas raízes numa amizade onde a pessoa escolheu por livre e espontânea vontade conviver com a pessoa que mais me fez mal nessa vida? Ela pode ter milhões de motivos para justificar isso, mas para mim ser amigo é renunciar de algumas coisas e ela poderia renunciar por mim, mas pelo visto eu não merecia e agora quando eu estou vivendo minha vida, mergulhado em outras coisas e tentando superar tudo que eu passei de desgaste emocional por conta disso, ela vem e diz: ESTOU JOGANDO A BOLA DA NOSSA AMIZADE PARA VOCÊ. O QUE EU TINHA QUE FAZER EU FIZ, SÓ ESPERO QUE VOCÊ NÃO ABRA MÃO DE UMA COISA MARAVILHOSA POR CONTA DE UMA COISA TÃO RUIM. 
Oras, ela tá chamando o novo " amigo cordial " de coisa ruim? Será que por acaso ela não se colocou no meu lugar em nenhum momento ( obviamente que não ). Não é fácil para mim ver que ela convive nesse covil e pior ainda não é fácil saber que isso é por vontade dela e acima de tudo que ainda tem a pachorra de omitir as merdas que fez quando eu mesmo sei a verdade. 
Hoje eu estou abusado, chateado, querendo ver o demônio menos ela! E no alto desse meu abuso acho péssimo ser cobrado por coisas que eu apenas repeti o que foi feito comigo e com outras pessoas por meses, acho um saco ser cobrado para telefonar, saber como está porque essas coisas não se cobram, são espontâneas e se eu não faço é muito claro para mim que é pelo fato de não sentir necessidade.
Se eu sou tão incrível, especial, faço tanta falta porque ela não tomou outra postura diante de tudo em relação a mim, sabe? Não dá para entender. 
Chega um momento na vida e isso para mim é bem claro, que as pessoas escolhem seus lados e ela meio que escolheu o dela do qual eu não faço parte! A gente não rompeu mas estou tremendamente cansado e exaurido para ficar com Dr's eterna a respeito de uma coisa bem clara. Minha mente diz que eu tenho que por um fim nisso, e meu coração diz que não. Essa é uma batalha e uma decisão que terei que travar sozinho. :) 


quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Eu acho ridícula essa mania minha de fazer minhas postagens pessoais anexando uma foto (também minha) Rs! Mas, enfim... Acredito que da última vez que recorri aqui foi para falar a respeito da minha amizade com uma pessoa especifica e tals, blá, blá, blá. Então... Não mudou muita coisa, as minhas colocações continuam as mesmas, a pessoa em questão tá vivendo as coisas dela e sinceramente fiz o que geralmente faço quando as coisas se tornam indiferentes para mim: Deixei para lá. Gosto dela e já gostei bem mais e hoje por uma série de atitudes e posicionamentos, prefiro me agraciar com o dom da distancia para evitar que eu crie um abuso incontrolável e acabe deixando de falar com ela de vez. Porque eu sou bem desses!
Ela tá meio estranha na verdade e essa mudança brusca dela de se envolver com esse povo pesado ( No pior sentido que essa palavra pode significar ) está fazendo com que todos os amigos se afastem dela e criem uma insatisfação tão grande que a presença dela nos lugares acaba sendo nociva para eles. E acreditem, de todo mundo eu ainda sou o que está menos chateado embora tenha motivos mais que suficientes para não olhar mais na cara dela. Por outro lado, não tenho mais 12 anos e isso faz tempo, nem realça comigo ficar chamando ninguém para ficar discutindo relações. Pode ter certeza que se eu procuro alguém é porque ela tem relevância, se não é porque realmente não faço a menor questão. E ultimamente tenho feito questão de pouquíssimas coisas, o meu silencio fala mais que qualquer palavra que saia da minha boca. Quem me conhece sabe que meu silencio e meu olhar dizem tudo!
Voltando ao aspecto que estava falando em relação a dita cuja é... O que eu posso dizer é que eu sinto muito, tenho um carinho e um amor imenso por ela. Mas, a questão é que o fardo tem sido maior do que eu consigo carregar e eu realmente não acredito numa amizade onde eu tenha que entender tudo, acatar idem e onde eu seja obrigado a ver ou ouvir o que eu não quero. Obviamente que numa relação sincera você escuta o que não quer, mas nessa em questão o contextos das coisas é outro completamente diferente.
Cada um que tenha suas carências, doenças e bipolaridades que cuide das suas! É mais ou menos isso o que sinto no momento, saca? Eu poderia enumerar aqui mil motivos para milhões de coisas, mas fico feliz em me perceber maduro e ver que eu não dependo da atenção de ninguém para me sentir bem.
Cada um tem o que merece e se eu tenho plantado coisas boas é mais do que justo colher também, quem por outro lado não planta... Não se planta bananas para colher uvas!
Tirando isso que é um assunto que já foi tão desgastado e que eu deixei tão para lá na minha vida, tem outros aspectos que tenho a melhorar e esses são comigo e aí sim, me dizem respeito.
Voltei a engordar, não tô estudando e a temporada de provas tá quase batendo a minha porta e decidi hoje que vou estabelecer metas e horários novamente para coisa voltar a andar porque do jeito que tá não dá para ficar não.
Basicamente é isso... De qualquer forma estou feliz e tenho bem mais motivos para sorrir do que para chorar, na realidade eu sempre tenho motivo para sorrir. Beijo